Pular para o conteúdo principal

Ninguém merece um amor mais ou menos. Nem eu, que já tenho um.

Foto: Pinterest/Brandy Melville


Hoje é mais um daqueles dias que você sai e eu não sei pra onde. Sem recado no guardanapo, sem mensagem na caixa postal. É uma daquelas longas e arrastadas horas em que você vai e eu fico. Sozinha, para variar. E nem parece que mora mais alguém aqui comigo. É como se eu estivesse dividindo o apartamento com alguém que às vezes aparece, mas que paga em dia a sua parte, pelo menos. Tipo a Priscila que morou comigo no 310. Você é a minha nova Priscila.

(só que a gente divide um status no facebook).

Ainda pergunto pra mim mesma porque eu ainda fico. Porque eu não sumo sem avisar também. Porque eu não pago na mesma moeda. Você pagaria? Aliás, não custa perguntar: o que aconteceria se fosse eu, aí desse lado em que você está agora? Chegando quando você já estivesse dormindo, saindo pra almoçar e voltando às dez da noite, curtindo noites, domingos e feriados com pessoas que você nem sabe quem são - mas que aparentemente me fazem mais felizes do que você.

Fica a interrogação.

Ontem quando você fechou a porta do lado de fora, abri a minha lista de desejos. E fiquei sem saber se escrevia seu nome nela. Não sei o que exatamente dói menos num caso desses. Ser só dói, mas ser só com alguém que nunca aparece é mais agonizante ainda. E já que estou sozinha mesmo, me reservo o direito de votar por você.

Você que, de vez em quando, aparece. Que faz declarações de amor de mentira pra mim. Porque continuamos adiando a sua saída oficial? Me faça esse favor: vá embora de vez. Ninguém merece um amor mais ou menos. Ninguém merece fantasmas: pessoas que às vezes passam por aqui. Ninguém merece ser feliz só no porta-retrato. Qual a nossa última foto juntos? Ninguém merece estar com alguém que simplesmente não quer estar. (Que prova com a ausência, mas não admite). A diferença entre você e um covarde é que você tem acesso à toalha que larguei molhada em cima da cama. Ninguém merece saber da vida do outro pelos outros. Tem outros demais na nossa história. O mais engraçado é que tempos atrás, essa seria a história de qualquer outra pessoa, da qual nós dois tiraríamos sarro.

<<essa é a nossa história agora>>

Estive pensando em todas as coisas que eu perdi de você. Por ordem de prioridade listei assim: 

tempo
presença
e contato. ( f í s i c o ). 

E de todos os tipos de solidão, esse é o que mais me parece triste. Um meio termo. Alguém que não decide a vida que quer ter. Guardei algumas anotações debaixo do meu travesseiro e reguei com alguma coisa que escorreu de mim sem querer. Na falta de ser saudade, chamei de tristeza, mas pode ser decepção também. Eu coloquei tanta fé na gente, que me sinto aquele apostador idiota que dedica todas as fichas em uma coisa só.

E hoje a coisa só sou eu.

Comentários

  1. Aquele texto incrível, que deixa você sem palavras e te faz dar um reflitam sobre a vida. Eita que coisa linda <3

    ResponderExcluir
  2. Eita meu Deus ��

    ResponderExcluir
  3. Eu poderia comentar "eita que coisa linda" também, mas a verdade é que doeu, doeu bem no peito, dói demais ser só estando junto. Passei por algumas crises parecidas no início do nosso casamento, muita conversa, muito diálogo, muito de Deus para nos ajudar a passar por isso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…