Pular para o conteúdo principal

Onde está a magia da gravidez?

Foto: Amber Clarck/Barefoot blonde

Existem algumas coisas que ninguém te conta sobre ficar grávida. O momento mágico de ver alguém te abraçando por dentro vem recheado de bexiga cheia, pés que não aguentam o chão e quadris que dispensam qualquer meio minuto sentada. As partes do corpo disputam entre si quem terá mais privilégios. Quem grita mais alto. Tudo ao mesmo tempo. Uma sinfonia que termina sempre com você, resmungando bem baixinho enquanto escorrega para sair da cama com o maior conforto possível.

As costas doem, e se você andar muito, os joelhos parecem duas pamonhas gigantes. Aliás, você muda seu jeito de andar. Sabe o Timão e Pumba? Você será Pumba, o javali. Sua bunda fica desproporcionalmente maior do que você gostaria. Se depilar sozinha nunca pareceu um esporte tão radical. E quando qualquer coisa cai no chão, é hora de avaliar se vale à pena o contorcionismo que virá a seguir. Você nunca se importou antes, mas de repente começa a desejar ter uma cintura fina de novo pra usar um vestido bem marcado, ou uma calça de cintura alta. Coisas que até pouco tempo não faziam a menor diferença, agora fazem toda.

Você readapta a rotina louca que tem. Readapta o guarda-roupa que tem. Readapta a vida. Tudo pra receber um novo alguém. Você passa a se importar em dormir oito horas, ou mais, por noite. Você se importa em tomar água. Sempre. Toda hora. Em comer mais frutas e verduras e peixes e tudo que for bom pra vocês. Você simplesmente se importa.

E sabe onde está a magia de tudo isso? Vou te contar. Quando você deita e olha para aquele barrigão. Um baita barrigão que carrega mais um coraçãozinho dentro. O barrigão que já fez você ter que tomar mais distância da mesa, ou que esticou aquela sua camiseta preferida. O barrigão que alargou todas as calcinhas que vestiam aquele seu número 36. (Ai que saudade!) Parece que faz muito tempo né? Mas só fazem seis meses, e você já não sabe mais o que é um cabernet num sábado à noite, ou uma caipirosca na beira da praia. O barrigão que já não te deixa mais usar suas calças jeans. Aquelas que você reclamava de estarem meio folgadas, hahaha. Foi engraçada aquela época!

É quando você olha pra ele, para o barrigão, bem ali tapando a visão de todo o resto do seu corpo, que a magia acontece. Quando ele começa a mexer. Quando você sabe que o bebê está querendo conversar. Só vocês se entendem, e isso deixa o papai doido. Só você pode sentir as coisas que todo mundo queria. Você fala e ele responde com um empurrãozinho. E quando, na vida, você imaginou que poderia gostar de que alguém conversasse com você te empurrando? Pois é! 

E é quando ele te pega de surpresa no meio da tarde, e faz você soltar aquela gargalhada no meio do expediente, que você enfim entende. A magia está dentro de você. Você pode carregá-la o dia todo e para onde for. E todo mundo vê, embora você não saiba, seu rosto, além de mais bochechudo, está mais feliz assim. É a magia acontecendo. É a magia te transformando. Deixando que a menina dê espaço à uma outra menina, mais experiente, mais responsável e às vezes mais sensível também. 

A magia acontece quando você para por um minuto e percebe: você está dando flor!

Comentários

  1. AFF, E eu fico rindo abestalhada com esses textos sobre maternidade!

    ResponderExcluir
  2. Oi Renata! Quanto amor em forma de post! Lindo! Me emocionei mesmo! Beijos.

    http://www.eicarol.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Carol. Obrigada por vir aqui ♥

      Excluir
  3. Lindo texto! E tão real... Parabéns por expor de forma tão bela o que está sentindo! Bjos

    ResponderExcluir
  4. Você deu flor, e o Senhor se encantou pela formosura, e O tomou para Si...Mas não se preocupe, você ainda florescerá, e cuidará, regará...Enfim, os planos dEle são mais altos! Te aminho gatan! <3 /Raíssa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas

Não achei um título pra você

Acordei como um papel em branco perdido em milhões de gavetas. Não são gavetas, mas é como se fossem. Estou entre duas cobertas e um lençol de elástico, que se soltou da cama no meio da noite. Deve ser um sinal de que algo está onde não deveria. Um ponto fora da curva. Uma curva fora do ponto. Final, por sinal. E espero que não estejamos falando de nós. 
Sinto que falta algum pedaço de história ser escrito em mim. Em meio a tantas cicatrizes, não reconheço mais todas as marcas de ferida que sobraram aqui. E olha que são muitas!
Ontem à noite você não disse nada. Quase nunca você diz. É como se a vida estivesse gritando uma senha no balcão e a gente estivesse dormindo na sala de espera. Estar: um verbo do tamanho do mundo, que quase não reconheço mais. Presença às vezes significa mais ausência do que o contrário. Queria enrolar seus cabelos enquanto você dorme, mas eu sempre pego no sono primeiro. Será que algum dia vamos, enfim, nos esbarrar na esquina da nossa sala? Quem sabe tomar …

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…