Pular para o conteúdo principal

Onde está a magia da gravidez?

Foto: Amber Clarck/Barefoot blonde

Existem algumas coisas que ninguém te conta sobre ficar grávida. O momento mágico de ver alguém te abraçando por dentro vem recheado de bexiga cheia, pés que não aguentam o chão e quadris que dispensam qualquer meio minuto sentada. As partes do corpo disputam entre si quem terá mais privilégios. Quem grita mais alto. Tudo ao mesmo tempo. Uma sinfonia que termina sempre com você, resmungando bem baixinho enquanto escorrega para sair da cama com o maior conforto possível.

As costas doem, e se você andar muito, os joelhos parecem duas pamonhas gigantes. Aliás, você muda seu jeito de andar. Sabe o Timão e Pumba? Você será Pumba, o javali. Sua bunda fica desproporcionalmente maior do que você gostaria. Se depilar sozinha nunca pareceu um esporte tão radical. E quando qualquer coisa cai no chão, é hora de avaliar se vale à pena o contorcionismo que virá a seguir. Você nunca se importou antes, mas de repente começa a desejar ter uma cintura fina de novo pra usar um vestido bem marcado, ou uma calça de cintura alta. Coisas que até pouco tempo não faziam a menor diferença, agora fazem toda.

Você readapta a rotina louca que tem. Readapta o guarda-roupa que tem. Readapta a vida. Tudo pra receber um novo alguém. Você passa a se importar em dormir oito horas, ou mais, por noite. Você se importa em tomar água. Sempre. Toda hora. Em comer mais frutas e verduras e peixes e tudo que for bom pra vocês. Você simplesmente se importa.

E sabe onde está a magia de tudo isso? Vou te contar. Quando você deita e olha para aquele barrigão. Um baita barrigão que carrega mais um coraçãozinho dentro. O barrigão que já fez você ter que tomar mais distância da mesa, ou que esticou aquela sua camiseta preferida. O barrigão que alargou todas as calcinhas que vestiam aquele seu número 36. (Ai que saudade!) Parece que faz muito tempo né? Mas só fazem seis meses, e você já não sabe mais o que é um cabernet num sábado à noite, ou uma caipirosca na beira da praia. O barrigão que já não te deixa mais usar suas calças jeans. Aquelas que você reclamava de estarem meio folgadas, hahaha. Foi engraçada aquela época!

É quando você olha pra ele, para o barrigão, bem ali tapando a visão de todo o resto do seu corpo, que a magia acontece. Quando ele começa a mexer. Quando você sabe que o bebê está querendo conversar. Só vocês se entendem, e isso deixa o papai doido. Só você pode sentir as coisas que todo mundo queria. Você fala e ele responde com um empurrãozinho. E quando, na vida, você imaginou que poderia gostar de que alguém conversasse com você te empurrando? Pois é! 

E é quando ele te pega de surpresa no meio da tarde, e faz você soltar aquela gargalhada no meio do expediente, que você enfim entende. A magia está dentro de você. Você pode carregá-la o dia todo e para onde for. E todo mundo vê, embora você não saiba, seu rosto, além de mais bochechudo, está mais feliz assim. É a magia acontecendo. É a magia te transformando. Deixando que a menina dê espaço à uma outra menina, mais experiente, mais responsável e às vezes mais sensível também. 

A magia acontece quando você para por um minuto e percebe: você está dando flor!

Comentários

  1. AFF, E eu fico rindo abestalhada com esses textos sobre maternidade!

    ResponderExcluir
  2. Oi Renata! Quanto amor em forma de post! Lindo! Me emocionei mesmo! Beijos.

    http://www.eicarol.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Carol. Obrigada por vir aqui ♥

      Excluir
  3. Lindo texto! E tão real... Parabéns por expor de forma tão bela o que está sentindo! Bjos

    ResponderExcluir
  4. Você deu flor, e o Senhor se encantou pela formosura, e O tomou para Si...Mas não se preocupe, você ainda florescerá, e cuidará, regará...Enfim, os planos dEle são mais altos! Te aminho gatan! <3 /Raíssa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …