Pular para o conteúdo principal

24 semanas: o corpo grita mais alto

Arte/Foto: Canva

Essa foi a semana do ataque de doces, hahaha. Sempre amei doce e doce sempre foi um veneno pra mim. Começou no sábado, quando decidi fazer brownies. 1. Porque uma amiga de infância foi me visitar dia desses e levou um monte deles pra mim, e fiquei maravilhada. (Raíssa, te amo!). 2. Porque a receita parecia bem fácil. 3. Porque são brownies, gente!!!

A receita não deu certo. O brownie não virou brownie. Acho que deixei pouco tempo no forno, e não deu pra formar aquela casquinha absurda, típica da receita. Mas pelo menos virou um bolo delicioso. Um bolo molhado e fofinho e cheio de chocolate com doce de leite por dentro. Não era brownie, mas não sobrou pra quem quis. Menos mau! E depois do brownie que não era brownie teve umbuzada e uma festinha de 15 anos com muito bolo, salgadinhos e docinhos e todas essas porcarias que amamos!

O corpo começou a gritar mais alto
Pela primeira vez nessa gestação meus pés realmente pediram socorro. Amo andar descalça pela casa. Gosto de sentir o chão frio na ponta dos dedos. Fui varrer a casa, que nem é tão grande assim, e quando terminei, os coitados estavam bem vermelhos, com uns tornozelos que eu nunca vi na vida. Quase não conseguia andar direito. Coisa de doido! Mas nada que um banho, a nossa cama com lençóis novos, pernas pra cima e uma massagem nos pés não resolva. Sou gente de novo!

E por falar em partes do corpo, estou odiando minha bunda. Ai, como estou odiando minha bunda! Será que é pecado odiar a própria bunda, coitada? Sim, estou, e não se explicar. Só que me sinto gigante com ela. #abstrai

Plantão no futebol
No domingo eu, Joaquim e papai fomos ao estádio. O papai para as arquibancadas. Eu e Joaquim para a cobertura no gramado. Era final da Copa do Nordeste. Nosso time novamente na final. Uma emoção atrás da outra. Algumas pessoas ficaram meio chocadas com aquele barrigão andante com um bloquinho na mão, mas eu gosto de me movimentar. Gosto de ir ao estádio, especialmente se for para ver meu time do coração. Saímos sem a taça de Bicampeão, meio borocochôs, mas acho que esse título Joaquim vai ter que estar aqui pra ver. Vida que segue.

Flagrando o bebê mexendo
Essa semana consegui flagrar, pela primeira vez, em um vídeo Joaquim me empurrando. Nunca tinha conseguido. Parece que ele ouve quando chamo alguém pra ver. Então a tática é fingir de morta. O papai já viu ao vivo e a cores o contorcionismo na barriga. É tão maluco, e tão legal. (Quando não é de madrugada tá? De madrugada não é legal).

Estamos começando a correr pra ajeitar nosso chá. Pelo menos a lista já fechamos.
Beijos daqui

Comentários

  1. Aí Re nessa fase os pés vão sempre pedir arrego, e ter quem ajude na massagem já é o começo pra felicidade.
    E olha você está odiando apenas a bunda e eu que sou o corpo todo, menos a barriga é claro. Me sinto enorme, tipo um hipopótamo, até agora engordei apenas 3k, mas no espelho parece uns 100 haha.
    Ansiosa para o chá? Aqui eu to que não me aguento rs.
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkkkkkkkkkkkk ah se todos os hipopótamos tivessem tivessem esses cachinhos de mel e esses olhos tão lindos. E pro chá, eu to mais agoniada que ansiosa. Eu queria que tudo já tivesse pronto. Ai senhor. Eu e minhas coisas. Kkkkk mas vou fazer em julho. Acho que dá tempo de não entrar em pânico! Hahahahaha. Beijo nesse buchinho mais lindo ❤

      Excluir

Postar um comentário

Mais lidas

Não achei um título pra você

Acordei como um papel em branco perdido em milhões de gavetas. Não são gavetas, mas é como se fossem. Estou entre duas cobertas e um lençol de elástico, que se soltou da cama no meio da noite. Deve ser um sinal de que algo está onde não deveria. Um ponto fora da curva. Uma curva fora do ponto. Final, por sinal. E espero que não estejamos falando de nós. 
Sinto que falta algum pedaço de história ser escrito em mim. Em meio a tantas cicatrizes, não reconheço mais todas as marcas de ferida que sobraram aqui. E olha que são muitas!
Ontem à noite você não disse nada. Quase nunca você diz. É como se a vida estivesse gritando uma senha no balcão e a gente estivesse dormindo na sala de espera. Estar: um verbo do tamanho do mundo, que quase não reconheço mais. Presença às vezes significa mais ausência do que o contrário. Queria enrolar seus cabelos enquanto você dorme, mas eu sempre pego no sono primeiro. Será que algum dia vamos, enfim, nos esbarrar na esquina da nossa sala? Quem sabe tomar …

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…