Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2016

Meu último diário

Foto: Pinterest
Não sei ainda como atravessei esta última semana. Os últimos dias não têm sido nada fáceis, e às vezes custo a acreditar que a casa voltou a ser apenas para dois. Eu até consigo ser forte de dia, com tantas pessoas carinhosas comigo, com a TV ligada e as janelas abertas, mas à noite, quando a última luz se apaga aqui em casa, o mundo desaba nos meus olhos e debaixo dos lençóis. Eu ainda não acredito que em minutos a vida se transformou, de uma doce espera para um mar de solidão. Todos os últimos dias, quando acordo e olho para a barriga que me restou, tento entender toda essa despedida ainda sem explicação.

É difícil escrever qualquer coisa, então, para piorar escrevo do quarto que deveria ser de Joaquim. Não há mais nada aqui, a não ser as coisas já que existiam antes dele. Sempre sonho acordada comigo colocando ele no berço que compramos com tanto carinho e até meio apertados, e que nem sei por onde está. É difícil escrever quando você não conseguiu sequer se despedi…

24 semanas: o corpo grita mais alto

Arte/Foto: Canva
Essa foi a semana do ataque de doces, hahaha. Sempre amei doce e doce sempre foi um veneno pra mim. Começou no sábado, quando decidi fazer brownies. 1. Porque uma amiga de infância foi me visitar dia desses e levou um monte deles pra mim, e fiquei maravilhada. (Raíssa, te amo!). 2. Porque a receita parecia bem fácil. 3. Porque são brownies, gente!!!
A receita não deu certo. O brownie não virou brownie. Acho que deixei pouco tempo no forno, e não deu pra formar aquela casquinha absurda, típica da receita. Mas pelo menos virou um bolo delicioso. Um bolo molhado e fofinho e cheio de chocolate com doce de leite por dentro. Não era brownie, mas não sobrou pra quem quis. Menos mau! E depois do brownie que não era brownie teve umbuzada e uma festinha de 15 anos com muito bolo, salgadinhos e docinhos e todas essas porcarias que amamos!
O corpo começou a gritar mais alto Pela primeira vez nessa gestação meus pés realmente pediram socorro. Amo andar descalça pela casa. Gosto de …

Onde está a magia da gravidez?

Foto: Amber Clarck/Barefoot blonde
Existem algumas coisas que ninguém te conta sobre ficar grávida. O momento mágico de ver alguém te abraçando por dentro vem recheado de bexiga cheia, pés que não aguentam o chão e quadris que dispensam qualquer meio minuto sentada. As partes do corpo disputam entre si quem terá mais privilégios. Quem grita mais alto. Tudo ao mesmo tempo. Uma sinfonia que termina sempre com você, resmungando bem baixinho enquanto escorrega para sair da cama com o maior conforto possível.
As costas doem, e se você andar muito, os joelhos parecem duas pamonhas gigantes. Aliás, você muda seu jeito de andar. Sabe o Timão e Pumba? Você será Pumba, o javali. Sua bunda fica desproporcionalmente maior do que você gostaria. Se depilar sozinha nunca pareceu um esporte tão radical. E quando qualquer coisa cai no chão, é hora de avaliar se vale à pena o contorcionismo que virá a seguir. Você nunca se importou antes, mas de repente começa a desejar ter uma cintura fina de novo pra…

Diário de Gravidez: 23 semanas

Comecei a semana com um resfriado canalha, bem no feriado, bem no meu plantão no jornal. Triste fim. Se já é deprimente trabalhar num dia frio, cinzento e feriado, imagine com o corpo pedindo uma cama e uma boa massagem na garganta e nos pés? Passei o dia mal. Um pacote de lenços esquecido no fundo da bolsa há mais de um mês logo se tornou insuficiente pra sinfonia de "atchins" que rolou lindo.

Mesmo vacinada, fiquei cheia de medo por causa dessa coisa da gripe H1N1. Ainda não havia dado tempo de eu estar imune ao subtipo do vírus Influenza, já que o prazo é de 10 dias após a dose. Pedi ajuda a médica, e ela me passou uma vitamina C própria para gestantes.

Sobrevivi.

No final de semana, nós três ganhamos um super presente de vovó Niza, mais conhecida como minha sogra. Ela nos levou pra uma loja (BEM BACANA) onde compramos praticamente tudo de roupas que Joaquim vai usar nos primeiros meses. A cada prateleira em que passávamos, eu descobria o quanto eu não sei quase nada des…