Pular para o conteúdo principal

Todo mundo precisa de um acidente por dia

Photo Wzrd/Flickr



De todas as coisas que acontecem na vida da gente, algumas têm o gosto mais especial justamente por não estarem dentro dos planos. Já aconteceu com você? Um acidente? Algo inesperado no meio da semana - e às vezes da vida. Um convite irresistível pra jantar em plena segunda-feira. Uma mudança inesperada de cidade. Uma viagem. Agora. Sem reserva em hotel, sem nada separado nas malas. Só um sorriso no rosto, e o dinheiro da gasolina pra chegar ao destino final.

Acidentes.

Nunca fui fã deles. Sou o tipo ridículo que adora planejar quantas horas vai dormir por noite, e o que farei na próxima sexta-feira. Não gosto do supetão. Sou meio ruim de aceitar as coisas que acontecem agora, por acaso. Sem me avisar. Quem ama uma rotina sabe do que estou falando.

A verdade é que a gente se acostuma com o roteiro das coisas. E reclamamos demais. A previsão do tempo não é nada quando decidimos abrir o berreiro e sair gasguitando pro mundo o quanto estamos incomodados com as coisas do jeito que estão. Nunca estamos cem por cento satisfeitos. Temos dificuldade em agradecer. Somos babacas quase que o tempo inteiro, e acho que isso inclui todo o resto.

Tem dias que saio virada no dendê com ódio do preço da gasolina. Então penso que só tenho 23 anos, e aos 22 comprei meu próprio carro. Zero. Em tempos de dinheiro curto, isso significa alguma coisa. Ter um bem. (Mesmo que isso tenha significado abrir mão de algumas coisas).

Quando descobri que estava grávida, com apenas seis meses de casada, não tive a melhor das reações. Demorei a entender. Tive dificuldade em aceitar. Pensei no tanto de coisa que ainda queria fazer, antes de aumentar o número de moradores da casa. Dias depois conheci a Ruth, que já fez de tudo pra ter um filho e não consegue. Os olhos dela, meio molhados de tristeza, me fizeram concluir: as nossas reclamações são o sonho de muita gente! O que te acontece por acidente, é o que muita gente passou a vida planejando ter.

Investimos tempo e dinheiro nos nossos sonhos, mas curtimos pouco. Somos tão bobos que decretamos um prazo de validade para os nossos sorrisos. E tudo se acaba no último suspiro do filtro do instagram. Depois, precisamos de novos sonhos pra conseguir atravessar a vida. Mas sabe o que eu acho?

Todo mundo precisa de um acidente por dia. 

Uma coisa que te chacoalhe a cada 24 horas. Qualquer coisa que te tire dos eixos. Que te faça soltar aqueles palavrões. Ninguém muda quando tudo está tranquilamente bem. Precisamos de um pouquinho de vendaval. Um por vez. Planejei comprar meu carro, mas não planejei ter um filho. E adivinha o que aconteceu com maior intensidade? Adivinhem o que tem sido a causa do meu sorriso contínuo por vários e vários dias que nunca vão se acabar?

Um acidente.

Qualquer coisa que não te deixe igual. Qualquer coisa que faça você mudar de rota, de planos, de vida. Lembra quando tomou um banho de chuva pela última vez? Quando chutou o balde e saiu da dieta? Ou aprendeu qualquer coisa nova? Qual a última vez que você apertou o foda-se e foi ser feliz? Acredite em mim: o tempero da vida é o acaso. É a quebra da continuidade.

Temos o péssimo hábito de nunca nos presentearmos. Temos a terrível mania de não sermos legais com a gente. Somos aquele tipo certinho café, almoço e janta. Saímos pouco do nosso "perímetro de segurança" - como se houvesse qualquer certeza que a vida vai ser contínua e reta até o final. Tem dias que só uma pipoca, um cobertor quentinho e qualquer coisa no Netflix resolve. Mas na maioria do tempo...

Todo mundo precisa de um acidente por dia.

Comentários

  1. Olá! Que texto lindo❤ você conseguiu descrever perfeitamente muitas coisas. Amei seu texto! Tô amando seu blog, achei ele num grupo de interação. Parabéns e muito sucesso! Ganhou uma leitora, e eu alguém que tenha idéias semelhantes as minhas. Sucesso! ❤❤❤

    Beijos.

    Poxanine.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…

Quando vai sobrar um pouquinho de você pra mim?

Hoje eu tive um daqueles típicos dias de cão. Se você nunca teve um, vou te explicar como funciona. Primeiramente você acorda, e pode deixar que o universo cuida do resto. A noite já foi mal dormida mesmo, então o que vem a seguir são só aperitivos. E vou te dizer mais uma coisa: dormir numa cama que você acha que nem é mais sua é a pior experiência que existe. Você acorda mais cansado do que quando foi dormir, é preciso pontuar. A companhia também conta muito. E o que aconteceu antes também. Desculpa o arrodeio todo, mas o dia de cão começa vinte e quatro horas antes, ou na noite anterior, bem antes de dormir.
Começa comigo, acordando cedo em pleno feriado para cobrir um plantão policial daqueles. (rebeliões. meninos tocando fogo em colchão, tentando matar o colega da cela vizinha, e eu imaginando como o mundo pode ser assim. daí tem explosão a banco, arrombamento de cofre, perseguição pelo meio do mato e tudo que um repórter de cidades tem direito). O plantão acaba, e quero aprovei…