Pular para o conteúdo principal

Todo mundo precisa de um acidente por dia

Photo Wzrd/Flickr



De todas as coisas que acontecem na vida da gente, algumas têm o gosto mais especial justamente por não estarem dentro dos planos. Já aconteceu com você? Um acidente? Algo inesperado no meio da semana - e às vezes da vida. Um convite irresistível pra jantar em plena segunda-feira. Uma mudança inesperada de cidade. Uma viagem. Agora. Sem reserva em hotel, sem nada separado nas malas. Só um sorriso no rosto, e o dinheiro da gasolina pra chegar ao destino final.

Acidentes.

Nunca fui fã deles. Sou o tipo ridículo que adora planejar quantas horas vai dormir por noite, e o que farei na próxima sexta-feira. Não gosto do supetão. Sou meio ruim de aceitar as coisas que acontecem agora, por acaso. Sem me avisar. Quem ama uma rotina sabe do que estou falando.

A verdade é que a gente se acostuma com o roteiro das coisas. E reclamamos demais. A previsão do tempo não é nada quando decidimos abrir o berreiro e sair gasguitando pro mundo o quanto estamos incomodados com as coisas do jeito que estão. Nunca estamos cem por cento satisfeitos. Temos dificuldade em agradecer. Somos babacas quase que o tempo inteiro, e acho que isso inclui todo o resto.

Tem dias que saio virada no dendê com ódio do preço da gasolina. Então penso que só tenho 23 anos, e aos 22 comprei meu próprio carro. Zero. Em tempos de dinheiro curto, isso significa alguma coisa. Ter um bem. (Mesmo que isso tenha significado abrir mão de algumas coisas).

Quando descobri que estava grávida, com apenas seis meses de casada, não tive a melhor das reações. Demorei a entender. Tive dificuldade em aceitar. Pensei no tanto de coisa que ainda queria fazer, antes de aumentar o número de moradores da casa. Dias depois conheci a Ruth, que já fez de tudo pra ter um filho e não consegue. Os olhos dela, meio molhados de tristeza, me fizeram concluir: as nossas reclamações são o sonho de muita gente! O que te acontece por acidente, é o que muita gente passou a vida planejando ter.

Investimos tempo e dinheiro nos nossos sonhos, mas curtimos pouco. Somos tão bobos que decretamos um prazo de validade para os nossos sorrisos. E tudo se acaba no último suspiro do filtro do instagram. Depois, precisamos de novos sonhos pra conseguir atravessar a vida. Mas sabe o que eu acho?

Todo mundo precisa de um acidente por dia. 

Uma coisa que te chacoalhe a cada 24 horas. Qualquer coisa que te tire dos eixos. Que te faça soltar aqueles palavrões. Ninguém muda quando tudo está tranquilamente bem. Precisamos de um pouquinho de vendaval. Um por vez. Planejei comprar meu carro, mas não planejei ter um filho. E adivinha o que aconteceu com maior intensidade? Adivinhem o que tem sido a causa do meu sorriso contínuo por vários e vários dias que nunca vão se acabar?

Um acidente.

Qualquer coisa que não te deixe igual. Qualquer coisa que faça você mudar de rota, de planos, de vida. Lembra quando tomou um banho de chuva pela última vez? Quando chutou o balde e saiu da dieta? Ou aprendeu qualquer coisa nova? Qual a última vez que você apertou o foda-se e foi ser feliz? Acredite em mim: o tempero da vida é o acaso. É a quebra da continuidade.

Temos o péssimo hábito de nunca nos presentearmos. Temos a terrível mania de não sermos legais com a gente. Somos aquele tipo certinho café, almoço e janta. Saímos pouco do nosso "perímetro de segurança" - como se houvesse qualquer certeza que a vida vai ser contínua e reta até o final. Tem dias que só uma pipoca, um cobertor quentinho e qualquer coisa no Netflix resolve. Mas na maioria do tempo...

Todo mundo precisa de um acidente por dia.

Comentários

  1. Olá! Que texto lindo❤ você conseguiu descrever perfeitamente muitas coisas. Amei seu texto! Tô amando seu blog, achei ele num grupo de interação. Parabéns e muito sucesso! Ganhou uma leitora, e eu alguém que tenha idéias semelhantes as minhas. Sucesso! ❤❤❤

    Beijos.

    Poxanine.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …