Pular para o conteúdo principal

Não deixe completar um minuto


Escrevo esta carta de punho e coração nu. Nos pés, uma meia de ursinho que eu nunca consegui desapegar, assim como essa saudade de você que sempre vem quando anoitece do outro lado da janela. Os pés estão quentes, mas o coração está descascado. E desde que você não me atende mais, uma xícara de café tem sido a minha única companhia. E desde que você se foi, eu nunca sei o que é o dia seguinte.

No meio desse frio, o único barulho da casa é o que sai do ventilador. Não me julgue. Eu precisava ouvir qualquer coisa, além do silêncio que invade toda a casa. Qualquer coisa além do eco que você deixou, quando bateu, em despedida, a porta da nossa sala.

Não sei porque escrevi, mas queria que você soubesse que eu menti quando disse que não me importava. Eu menti quando disse que a vida seria melhor sem você por perto. Se é, não quero nem saber. Ainda sinto saudade. Horas desmaiadas de saudade. Só o que tenho feito é pensar em como teria sido se eu tivesse descido as escadas, louca atrás de você. Como teria sido se eu não tivesse deixado você sair daquele jeito - não sem antes te dar um beijo de despedida. Foi o orgulho que me trancou aqui dentro, e deve ser ele que desligou seu telefone também.

Nunca mais eu abri as janelas. Você adorava ver o vento espalhando folhas sem cor por toda a casa. E desde que você não apareceu de volta, não há mais barulho, nem filme com pipocas espalhadas pelo velho tapete da sala. Os vizinhos acham que não há mais ninguém morando aqui. Mas tem você dilacerando dois centímetros do meu peito a cada hora que passa. Sobrei na esquina dessas paredes brancas, quando deixei que você fosse. 

Sabe o que acontece quando a gente deixa o orgulho ser maior que o amor? A gente se perde por um minuto de desleixo, e não por toda a briga. Em um minuto o outro atravessa a rua e vai. Em um minuto, a cabeça fica quente, e o coração vazio. Em um minuto, o outro muda de cidade ou de país. Foi um desses minutos covardes que te levou embora. Um minuto, que não teria se completado, se você tivesse esquecido as chaves do carro. Ou se eu tivesse te pedido pra ficar. Deixamos o outro ir, achando que a poeira precisa baixar - longe da gente. E então, quando a nuvem de terra desaparece, não há mais ninguém do outro lado da calçada. Só um aceno de adeus.

Faça a poeira baixar com um beijo. Não há quem não reaja a um beijo, no meio de uma confusão. Deixe que a cabeça do outro esfrie, mas com um abraço apertado por trás, ou um eu te amo no fundo dos olhos. Não deixe o outro ir, antes do seu orgulho. As coisas mais bonitas devem ser ditas no meio do caos, entre gritos e copos quebrados no chão. Não deixe esse minuto se completar pra ver se o outro volta. (Nem sempre ele volta).

Então não deixe completar o minuto. Não deixe que o tempo passe.
Não deixe virar saudade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …