Pular para o conteúdo principal

Seja o dia que você quer ter

Aleksandr Munaev/Pinterest



Ei, eu sei que dói. 

Eu sei que por baixo desse moletom, você não queria ter acordado hoje. Ou talvez quisesse, só pra se torturar mais uma vez com as coisas que não deram certo ontem. Com as coisas que caíram e quebraram, antes mesmo de você perceber. Mas sabe? A gente precisa levantar, mesmo sem vontade. A gente precisa virar a página, ou até mesmo rasgar todo o livro, se isso nos fizer ir pra frente e sair desse poço de escuridão em que a gente caiu e nem soube. 

Já doeu em mim sabia? Doeu demais. Sangrou demais. E até hoje as marcas estão aqui na pele, ardendo toda vez que eu aperto.

Mas a gente precisa aprender a sobreviver a todos os dias que não deram certo. A todas as roupas que não couberam. Aos amigos que fingiam ser e não eram. Aos amores que foram sem avisar. A gente precisa escolher seguir em frente. Apesar deles. Apesar de nós.

Dói ouvir né? Mas é uma escolha mesmo. É a gente quem decide para onde vai toda a dor, e o que a gente faz depois dela. É a gente quem escolhe o tamanho do sorriso que vai dar para quem riu de nós, para quem desconfiou de nós, para quem sacaneou a gente sem piedade. É a gente que escolhe qual a próxima música que vai tocar.

Soa malvado dizer, mas vou dizer mesmo assim. Às vezes a gente rega dores desnecessárias. A gente revive lembranças que naturalmente já teriam morrido, se nós tivéssemos deixado. Às vezes a gente deixa sangrar só pra causar remorso nos outros. Ou pra sentir a dor novamente. Como se isso fizesse de nós os heróis que não somos. Os heróis que gostaríamos de ser.

Eu sei que dói. E tem que doer mesmo.

Mas hoje dói porque você deixa. Porque você quer. Porque você não reage.

Reaja! Tire o cabelo dos olhos, limpe os joelhos e continue andando, sabendo que a queda foi feia, sangrou, tirou o pedaço, mas o dia não vai terminar assim. Não sem você dar o troco. Não sem antes você chamar aqueles palavrões. Ou não. As coisas só acabam com a gente, se a gente deixa. Deixe que o seu sorriso se espalhe, então.

Seja seu caso de amor preferido, sua melhor companhia. Seja, afinal, o dia que você quer ter.


Encontre o blog 

Comentários

  1. Obrigada por esse texto, Rê, muito obrigada mesmo. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se serviu pra você, serviu pra mim Irianne! Obrigada, você. <3 <3

      Excluir
  2. Veio mesmo a calhar. Hoje foi um desses dias. Um texto que diz verdades fáceis de dificil prossecução. Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela leitura Albertina. Se sinta em casa, por aqui :)

      Excluir
  3. Que texto lindo! Sair da bad é complicado, às vezes parece que tá tudo uma merda mesmo. Mas só quem pode mudar isso, somos nós. Então, vale muito mais a pena parar com as lamentações e fazer algo pelo nossa felicidade. Depositas essa responsabilidade nos outros nunca vai funcionar. Quanto menos dependemos de outras pessoas para sermos felizes, mais fortes nos tornamos. :)

    http://desapegomental.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por vir aqui Jonara. Exatamente. Às vezes não é fácil dizer, mas também somos responsáveis por nós mesmos. Vida que segue. SEMPRE!

      Excluir
  4. Concordo demaaaaaaaaaais com esse texto, Rê.
    Acredito que tem muita coisa na vida e se a gente se apega ao que já passou, é perda de tempo, é busca por manter uma dor que já passou, ou já devia ter passado.
    Já tem tanta coisa. Pra quê guardar passado?
    A gente tem é que viver, tem é que ser, tem é que aproveitar!

    Beijão

    ResponderExcluir
  5. Ai doeu mesmo, Renata! Doeu porque, na maioria das vezes, o que precisamos ouvir é dolorido. Li numa dessas linhas um problema muito parecido com o meu, li nas seguintes a solução que parece perfeita. O que falta agora do lado de cá é movimento, para fazer o dia que eu quero!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sempre uma linha que dá aquele tiro na gente né Deise? Levanta a cabeça e vai!!!

      Beijocas

      Excluir
  6. A gente é que decide... Verdade.
    Gostei muito, sua escrita é impecável =)

    BJoo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que amável!! Que bom que gostou. Volte sempre que quiser.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …