Pular para o conteúdo principal

Tempos de vestibular

Esses dias, vi um colega jornalista falando no Facebook que hoje em dia o pessoal já não faz mais tanta festa quando vê a aprovação no vestibular (nesse caso, Sisu) como antigamente. E tem seu fundo de verdade! Eu entrei na faculdade em 2011, pra Jornalismo, e lembro que alguém me ligou dizendo que tinha ouvido meu nome no rádio. Acho que aquele foi o último ano que a lista foi divulgada no rádio - até porque hoje não existe mais lista. Minutos depois eu corri pra casa do meu, na época, namorado e fomos acessar a lista. E lá estava eu, a sexta colocada em Jornalismo. Fiquei tão feliz da vida, que fui logo providenciar uma caixinha de band-aids divertidos pra todo mundo saber, só de olhar pra mim.

Foi festa! Meus amigos ganhavam churrasco, choravam na hora de raspar a cabeça. Era uma coisa de outro mundo. Até um tempo atrás, a aprovação era motivo de muita, muita animação. Pra quem foi vestibulando muito tempo antes que eu, num tempo onde a internet não era tão acessível assim, tinha também a emoção de ver a lista nos pontos de divulgação. Imagine só. Sair de casa pra ver se seu nome estava em uma lista! Que loucura"

Quando comecei a estagiar no jornal, em 2013, lembro que quando saia o primeiro lugar geral em alguma faculdade, os fotógrafos iam atrás de tirar "A FOTO". No ano em que acompanhei o negócio, a foto foi do fera sentado na cadeira do barbeiro, pronto para perder a cabeleira e entrar de vez na vida acadêmica. No caso das meninas, raspar a sobrancelha. Imagine só. Perder os cabelos, ou os pelos da sobrancelha, nunca foi motivo de tanta felicidade.

Segunda-feira saiu o resultado do Sisu. Eu nem sei direito como funciona esse sistema, porque na época que eu fiz, a gente sabia a concorrência antes do dia do vestibular. Era uma das listas que mais provocada ansiedade na galera. Tudo era escolhido previamente. Não tinha essa coisa de ficar olhando no sistema se a nota vai dar pra entrar em curso tal. Era bem emocionante, porque passar no vestibular significava que você conseguiu entrar no curso da sua vida, o que hoje é meio que raridade.

O jeito de comemorar essa nova fase mudou com o tempo. Não sei se o jeito de ingressar na faculdade contribuiu pra isso, mas hoje vejo muito menos "confetes" do que via há até uns cinco anos atrás. As coisas mudam, afinal.

Qual foi o tempo de vestibular de vocês?

Comentários

  1. Rê, eu entrei em Jornalismo pelo SISU em 2013, chorei horrores pela conquista. Foi a melhor sensação do mundo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sensação de conseguir aquilo que a gente quer é sempre deliciosa né Karol?

      Excluir
  2. Caramba, desde que começaram a sair as listas de vestibular minha e do pessoal proximo, eu tenho essa sensação. Pra quem acompanhou essa época que você falou, fica tão sem graça hoje em dia... Espero até hoje mil convites de churrasco pra comemoração, mas a comemoração se resumiu a postar no facebook e ganhar parabéns. Engraçado que até mesmo quando passei pra medicina, usei o band-aid 1 semana só, pq depois perdeu a graça, fiz questão de sair pra comemorar, poucos apareceram, pq virou um evento normal para a sociedade, até mesmo quando se trata de um curso super concorrido. Concordo e compartilho desse sentimento, mesmo ja tendo sido dessa geração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita, que medicina que era festa mesmo. O primeiro lugar geral geralmente era de medicina. Eu lembro de ver pessoas conhecidas fazendo até comemorações bem maiores, assim como você falou Thayná. Dá um pouco de saudade né, de quando tudo era assim, bem motivo de alegria pra todo mundo. ♥♥

      Excluir

Postar um comentário

Mais lidas

Não achei um título pra você

Acordei como um papel em branco perdido em milhões de gavetas. Não são gavetas, mas é como se fossem. Estou entre duas cobertas e um lençol de elástico, que se soltou da cama no meio da noite. Deve ser um sinal de que algo está onde não deveria. Um ponto fora da curva. Uma curva fora do ponto. Final, por sinal. E espero que não estejamos falando de nós. 
Sinto que falta algum pedaço de história ser escrito em mim. Em meio a tantas cicatrizes, não reconheço mais todas as marcas de ferida que sobraram aqui. E olha que são muitas!
Ontem à noite você não disse nada. Quase nunca você diz. É como se a vida estivesse gritando uma senha no balcão e a gente estivesse dormindo na sala de espera. Estar: um verbo do tamanho do mundo, que quase não reconheço mais. Presença às vezes significa mais ausência do que o contrário. Queria enrolar seus cabelos enquanto você dorme, mas eu sempre pego no sono primeiro. Será que algum dia vamos, enfim, nos esbarrar na esquina da nossa sala? Quem sabe tomar …

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…