Pular para o conteúdo principal

Mude o trajeto

Reprodução: Pinterest

Há um tempinho, li um texto incrível da talentosíssima Fernanda Probst, e por esses dias me peguei refletindo um bocado sobre ele. O texto fala sobre  escolher dar um passo que parece duvidoso, mas que, apesar de arriscado, é o que nosso coração quer. Mudar o percurso. Pegar a contramão. Trocar o trajeto. A gente tem a mania de querer estar seguro. Sempre. E que mal há nisso, afinal? Um coração cansado às vezes só quer terra firme para se ancorar. O problema é que estar seguro nem sempre é estar feliz.

Nunca tive um espírito muito aventureiro. Quem me conhece, sabe: Sou do tipo que gosta de calmaria. E para os tipos como eu, matar a saudade é sempre dormir na própria cama, vestindo o pijama de sempre e, se possível, aquele cobertor que já tem o desenho do nosso corpo. Gosto de terra firme. Nasci meio presa ao chão, e por ser meio assim, qualquer desvio na rotina já é um tremor de terra. As escalas é que mudam.

Sempre fui muito metódica. O tipo de pessoa que pensa muito no futuro e às vezes esquece de se achar de novo no tempo. A cabeça calcula demais antes de fazer. Algumas vezes, isso me rendeu uma tranquilidade que poucas pessoas tinham. Em outras, eu perdia o momento exato para as coisas. Um pequeno deslize, e já me sentia fora de órbita.

Tenho pensado muito nisso, desde que soube da minha gravidez. Sabe o Carpe Diem? Tenho adotado pra mim. Nada como uma brusca mudança de trajeto para nos colocar no eixo não é? E quando digo "colocar no eixo", isso pode significar uma localização do tipo: no meio da bagunça, com um monte de perguntas e nenhuma resposta. Mas mesmo assim, no eixo. Sem segurança, sem nenhum controle da situação, mas com sorrisos largos.

Mude o trajeto. Dê tiros no escuro, de vez em quando. Pense menos. Todo mundo tem uma história legal de algo feito no impulso. Parado aí, pensando nas possibilidades de dar certo ou errado, quase não sobrarão histórias pra você contar. Saia por aí uma tarde qualquer e decida fazer algo novo. Pode ser correr sozinho no parque, andar de patins ou simplesmente viajar sem rumo. Faça algo que você nunca fez. Mude o trajeto. E mude sem se avisar. Felicidade se encontra quando a gente é feliz do nada. Quando ninguém nos disse que a gente podia. Quando a gente não fez as contas pra ser.

Eu tô sendo.

Encontre o blog

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …