Pular para o conteúdo principal

Restos


Tenho uma mania, que só descobri que era mania, depois que me casei. Nada como o casamento para dedurar nossos pequenos deslizes! Sempre deixo as sobras de qualquer que seja o prato. Um sanduíche, por menor que seja (e nunca é o bastante), sempre sobreviverá a fúria da fome de Renata. Um pedaço de pão com queijo que não servirá para mais nada na vida, ou uma fatia de pizza, que não fez mal nenhum a alguém, fatalmente acabará no lixo.

Mas isso só acontece em casa. Se levo porções de comida para o trabalho, não sobra nada. Como até os guardanapos, com o apetite de um pedreiro. (Com todo respeito a esses profissionais de bem).

Copos de sucos e outras bebidas também não escapam de virar restos. Pelo menos dois dedos dos líquidos sempre descem pelo ralo, sem ao menos um sugado meu. Comecei a notar essa característica (porque transtorno é uma palavra muito forte) há pouco tempo, depois de inúmeras reclamações do *marido*. Agora, é ele quem monta meu prato, mas não teve sucesso até agora.

Deixar restos.

É difícil me defender dessa mania de deixar. Tem gente que deixa muita coisa. E tem gente que guarda, especialmente restos. Restos de amores que não sobreviveram, de lembranças que atormentam ou de saudades engasgadas. Tem gente que não consegue deixar ir. Ou simplesmente não quer. Ver embora. Deixar ir. Um emprego, uma pessoa, uma MANIA (não é Renata?).

Não é fácil soltar a mão de uma rotina, ou de uma sacanagem que fizeram com a gente. Rancor é, de longe, um dos mais fáceis de guardar. Eu sei. Antes da mania das sobras no prato, eu juntava. Qualquer coisa. Mas se o arroz que comemos já foi suficiente, trazer mais coisa pra dentro só faz a gente adoecer. Grande invenção da sociedade o saco do lixo. E sabe por quê?

A gente não precisa de restos.


Encontre o blog 

Comentários

  1. Sobre sua mania tenho ela, e meu esposo fica nervoso com isso também rs.
    Agora sobre o restos penso como você aquilo que sobra, que não cabe mais tem que ser jogado fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixamos nossos caras loucos né Camis? Haha

      Excluir
  2. Tenho essa mania com pão! É impressionante pode tá legal como for, seempre sobra um pedacinho ( meu namorado se reta, rsrsrsrrs) só que raramente as sobrinhas vão pro lixo ou meu namorado pega do meu prato e come ( sim, ele faz isso) ou eu dou pros dogs aqui de casa! rsrrsrsr
    Oh e esse negócio de guardar é importante estar alerta sempre mesmo, porque como vc espertamente disse "A gente não precisa de restos." !
    Um abraço, Renata!!
    http://decifrandopordeiselima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKKKKKKKKKKKKKK se reta. KKKKKKKKKKK gostei. Imagino a cena, Deise.

      Excluir
    2. KKKKKKKKKKKKKKKKKK se reta. KKKKKKKKKKK gostei. Imagino a cena, Deise.

      Excluir
  3. Excelente texto!! Senti tanta afinidade que gostaria de tê-lo escrito <3 ! E olha só, tenho a mania de deixar um restinho de café, bebo muito café ao longo do dia mas sempre deixo dois dedinhos, meu marido implica também (óh maridos!) e fica falando que eu deixo 'café para o santo' kkkk. Parabéns pelo blog, comecei a acompanhá-lo no final de agosto ao ver a indicação em algum BlogDay.
    www.janainaboth.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia, Jana. Então acho que nos parecemos, será? Obrigada por deixar esse comentário feliz por aqui. <3

      Excluir
  4. ''É difícil me defender dessa mania de deixar. Tem gente que deixa muita coisa. E tem gente que guarda, especialmente restos.'' Realmente a maioria das pessoas são assim, e eu me incluo nessa. O triste e deixarem restos de amores que sempre foram inteiros e cheios <3
    Beijinhoos :**
    http://queridaasmemorias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com o tempo, a gente vai vendo que restos não servem pra nada Layla.

      Excluir
  5. Que cada vez mais deixemos os restos desnecessários procurarem seus lugares, bem longe. Que só fique o que for bom e o que faz bem.
    Linda reflexão, Rê. Cada coisinha da vida significa algo, mas precisamos estar atentas para perceber.

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho justo, Magdinha! Tudo em seus devidos lugares, inclusive o que não é mais da gente.

      Excluir
  6. Como sempre, Renatinha, seus textos nos ensinando uma coisa nova que estava bem debaixo dos nossos narizes à fazer.
    Amo a forma que você faz analogia entre as coisas para chegar em seu ponto principal no texto.
    Sonho com o dia que todas as pessoas conhecerão ao menos uma citação sua, porque você merece todo o reconhecimento.
    Amo muito seus textos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem palavras para esse carinho. Tô tão melosa de ler essa delícia aqui, Nay. Fiquei tão feliz e tão emocionada com teu recado, que só posso dizer: muito obrigada por você me descobrir, e ler algumas bobagens dessa anônima aqui! ♥

      Excluir
  7. É muiiiito difícil se livrar. Eu sou apegada com tudo, não importa o que seja, meu ex eu queria muito terminar, mas quando terminamos eu chorei e pensei NAO NAO, EU QUERO ELE, mas era medo. Medo de perder, de sair daquela rotina, moravamos juntos a dois anos. Agora estou MUITO MAIS FELIZ

    Beijos, Love is Colorful & Sorteio Lentes para Celular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Barbs. Não sabia! Às vezes a gente só precisa sair de lá né? Do medo... Continue feliz!

      Excluir
  8. Pra variar, excelente texto. Tente se livrar da mania de deixar comida, aqui na redação vc tem uma colaboradora...rs. Qto aos sentimentos negativos é melhor jogar no lixo com água e tudo...kkkk. Xêro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem deveria comentar né? Hahaha jogar no lixo. (Com água e tudo). E que ela não leia isso. Beijooooo

      Excluir
  9. Achei que só eu tinha mania de deixar restinho de comida no prato hahahaha pior que isso, sempre guardo restos de pessoas, lugares, coisas também :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guarde resto só de Nutella, Day. Isso sim vale à pena!

      Excluir
  10. Nossa, Renata, que texto excelente! Super bem escrito! Aliás, estou lendo loucamente todos os seus textos! <3

    E sobre essa mania: eu também tenho, com tudo. lol

    Beijinhos

    www.burguesinhas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que comentário delícia, Carlinha! Logo você aqui ❤❤❤❤❤ Ai que lindo!

      Excluir
  11. Sendo mania ou não sou exatamente assim também, adorei o texto, e inclusive concordo a gente não precisa de restos, de nada, muito menos de pessoas!
    Beijão, www.desapegaadri.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …