Pular para o conteúdo principal

Ponto final



A campainha toca. 

De novo. 

E eu sei quem é.

Sento no sofá pra pensar no que fazer, mas cansei das tuas despedidas. Mais do que dizer adeus todas as vezes que você decide que vai, dói ainda mais te receber de volta. É como reabrir uma ferida sabe? É como precisar de curativo sempre à mão. Só que uma hora isso nem cicatriza mais. Afinal, eu nunca sei quando estou me despedindo pela última vez. 

Você sempre volta. E pior, eu deixo.

Faz um desmantelo danado em mim. Bagunça a casa. Toma todas as minhas bebidas. Some com meus CDs e reaparece com cara de quem está voltando pra própria casa. Mas nós sabemos que eu sou só a passagem.

E eu deixo.

Não sei se te aceito de volta por pena de você, ou de mim. Não sei se reabro a porta por saber que não há mais ninguém lá fora te esperando, ou por medo de descobrir que sim. Que tem alguém que te aceita torto. Alguém que implora pra você ficar. Alguém que não dorme, não sai, não pisca e não vive enquanto você não chega. Alguém que simplesmente te espera. De braços abertos, todas as noites, entre um minuto e outro da sua vida.

Alguém que te faça desistir de cruzar a porta.

A campainha toca.

É claro que sei quem é.

Voltamos a infringir as regras. Voltamos a movimentar os placares. Mas a essa altura dos jogos, nem sei mais quem perde ou ganha nessa merda de história. Arrisco dizer que ninguém ganha.

Nunca.

É como um jogo de azar. Só há perdedores.

Dois perdedores.
Eu e você, tentando salvar nosso barco. 
Um barco pirata, sem âncora ou capitão.

A campainha toca. 
Pela terceira vez. 
E pela quarta.

Mas eu já não abro mais. 

Não quero ser sua casa de campo. Procure outra hospedagem desta vez. Desça as escadas e pegue seu caminho de volta. Enchi a casa de flores. Flores pra enterrar você. Foi difícil não abrir essa porta hoje, mas depois de emperrar nossas páginas, eu finalmente saí da segunda vírgula.

E chegamos ao ponto final.

Comentários

  1. linnnnnnnnnndo
    http://fabricianareal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Esse texto me fez lembrar de uma fase na minha vida que não gostei. Mas que hoje me faz super bem por ter passado por isso! Como sempre, escrevendo demais <3
    www.namesmafrequencia.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nossa, como você escreve bem!
    Ameeeeeeeeei

    Como gostei do blog, estou seguindo!!!!
    Um beijãaaaao... Venha conhecer meu cantinho também http://www.segredosdaadri.com.br/

    ResponderExcluir
  4. eu me derreto toda com esses teus contos, Rê.
    não para mais de escrever assim não beeee.

    Beijosss

    ResponderExcluir
  5. Pra lascar o coração esses teus contos, Rê.
    Angústia durante a leitura: atende, não atende, atende, não atende? Vai atender ou não? Haha.

    Beijão em tu :*

    ResponderExcluir
  6. Acho incrível a forma que você descrever um pequeno momento em um texto inteiro!
    Gostaria de ter esse talento. Esse texto foi sensacional ♥

    Último Biscoito | www.ultimobiscoito.com

    ResponderExcluir
  7. Estou passando por uma situação parecida e foi muito difícil colocar um ponto final, mas eu percebi que isso era algo necessário, que continuar insistindo só me faria sofrer ainda mais. Dói encerrar uma história, mas às vezes isso é o melhor.

    http://lenabattisti.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Menina me encantei com esse texto.
    Parabens pelo blog e você escreve muito bem.

    É tão dificil colocar um ponto final. às vezes demora, dói.. dói muito. Mas, é sempre melhor um ponto final do que prolongar um sofrimento com vírgulas.
    Beijos!

    www.meumundosecreto.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas

Não achei um título pra você

Acordei como um papel em branco perdido em milhões de gavetas. Não são gavetas, mas é como se fossem. Estou entre duas cobertas e um lençol de elástico, que se soltou da cama no meio da noite. Deve ser um sinal de que algo está onde não deveria. Um ponto fora da curva. Uma curva fora do ponto. Final, por sinal. E espero que não estejamos falando de nós. 
Sinto que falta algum pedaço de história ser escrito em mim. Em meio a tantas cicatrizes, não reconheço mais todas as marcas de ferida que sobraram aqui. E olha que são muitas!
Ontem à noite você não disse nada. Quase nunca você diz. É como se a vida estivesse gritando uma senha no balcão e a gente estivesse dormindo na sala de espera. Estar: um verbo do tamanho do mundo, que quase não reconheço mais. Presença às vezes significa mais ausência do que o contrário. Queria enrolar seus cabelos enquanto você dorme, mas eu sempre pego no sono primeiro. Será que algum dia vamos, enfim, nos esbarrar na esquina da nossa sala? Quem sabe tomar …

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…