Pular para o conteúdo principal

Devolva minhas chaves



Deitada no chão da sala, tento refazer meu coração com esses pedaços de memória que você deixou pra mim. Algumas garrafas depois daquela, e a conta que não pedi, chega. É sempre assim: tudo que pode ser adiado, vem antes do previsto, incluindo este final. Olho pro teto esperando que ele caia de uma vez em cima de mim. Não aguento olhar esses rachões, e seguir a vida esperando a tragédia acontecer. Foi assim que começamos isso aqui.

Pequenos espaços de sorrisos seus aparecem na nossa estante. Não sei porque chamo de nossa, se nem ao menos você mora aqui. Guardo aquela piada boba que você fez dos meus porta-retratos, e sigo enxugando o rímel que já escorre pelos cabelos. São só quatro da manhã de um dia que se arrasta pra nascer. Quero um sinal de vida seu, mas a caixa postal continua avisando que você está fora do meu alcance. Talvez pra sempre.

Nossa brincadeira virou algo que ainda não sei o que é. Planos para o carnaval, mensagens bonitinhas, beijos de saudade e noites viradas ao avesso. Parecia amizade, mas você dizia que não. E eu sigo sem as suas definições. Não existe hora marcada pra você aparecer. Aliás, nem sei o que existe depois do último domingo.

Fico pensando em qual será seu plano para hoje, mas se esta tarde passar, já vão fazer três dias que você sumiu. Penso em deixar você se divertir um pouco mais, só que viramos um problema que não quero resolver. Como é ruim não saber o que a gente é. Sinto que ando fora do fuso horário, e por mais que aperte o músculo daqui de dentro, só quero que continue assim, doendo. Alimento essa raiva que sinto de você até o último gole.

E se meu telefone tocar, só peço que devolva minhas chaves, e esqueça o caminho deste corredor que te trouxe aqui da primeira vez.

Comentários

  1. Mas hen?! Vou ali me recompor e já volto.
    É terrível quando brincamos de não te quero mais, mas gruda no meu peito e fica.
    Texto lindo Renata.
    Por favor, pare de conquistar meu coração bobo com esses textos destruidores, ok?!

    ResponderExcluir
  2. Eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeita!
    Que TEXTO!
    Acabou BEDA, mas não acabou inspiração! Uhuuuu

    Beeeijo em tu :*

    ResponderExcluir
  3. Meeeu deus, que trisssssssssssssste ):
    Eu e meu namorado brigamos e estou com medo de perder ele, e hoje faz três dias exatamente, aiaiai viu ):

    Beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
  4. Como não amar logo de manhã ler um texto tão lindo assim?! Acho que é tão triste quando um amor acabar, ainda mais de forma que talvez não tenha voltar. =/
    Beijos,
    www.dosedeilusao.com

    ResponderExcluir
  5. Por que você faz isso comigo?
    :'(

    cê tá arretada deeeeeemaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaais bicha.
    amando tudo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…

Quando vai sobrar um pouquinho de você pra mim?

Hoje eu tive um daqueles típicos dias de cão. Se você nunca teve um, vou te explicar como funciona. Primeiramente você acorda, e pode deixar que o universo cuida do resto. A noite já foi mal dormida mesmo, então o que vem a seguir são só aperitivos. E vou te dizer mais uma coisa: dormir numa cama que você acha que nem é mais sua é a pior experiência que existe. Você acorda mais cansado do que quando foi dormir, é preciso pontuar. A companhia também conta muito. E o que aconteceu antes também. Desculpa o arrodeio todo, mas o dia de cão começa vinte e quatro horas antes, ou na noite anterior, bem antes de dormir.
Começa comigo, acordando cedo em pleno feriado para cobrir um plantão policial daqueles. (rebeliões. meninos tocando fogo em colchão, tentando matar o colega da cela vizinha, e eu imaginando como o mundo pode ser assim. daí tem explosão a banco, arrombamento de cofre, perseguição pelo meio do mato e tudo que um repórter de cidades tem direito). O plantão acaba, e quero aprovei…