Pular para o conteúdo principal

Por isso eu sou vingativa

Já diziam por aí que vingança tem nome de mulher. No livro de Cláudia Tajes (2011) esse nome é Sara Gomes, uma gêmea azarada que foi obrigada a deixar a faculdade de arquitetura para cuidar do negócio dos pais - uma lavanderia. Nem preciso dizer que a Lava-leve tornou-se, aos poucos, um atraso de vida. Desde que um antigo amor entrou na lavanderia e a confundiu com Sandra, sua irmã gêmea, Sara não tira da cabeça a ideia de reencontrar todos os seus ex qualquer coisa

Tem um ditado que diz que cabeça vazia é oficina do diabo. Pois é. Em um dia de pouco movimento na Lava-leve, sem um livro pra ler ou um computador para se distrair, Sara decide se vingar de todos que contribuíram para as humilhações sofridas. 

A lista inicial conta com sete nomes. Desde Otávio, um amor não correspondido entre o pré-primário e a quarta série, à Timóteo, um cliente da lavanderia que, após ganhar um cartão fidelidade, sumiu sem deixar rastros. 

Além deles, a lista tem os nomes de Alaor, um cara do colégio que a manteve como amante e depois casou com a namorada oficial; Fábio Loiro, do cursinho pré-vestibular, que alimentou um romance de apenas dois dias; Rodrigues, um cara mais velho que escondia o primeiro nome; Heitor, funcionário da faculdade onde Sara estudava, e casado; Vitor Vaz, cliente da Lava-leve, que em breve tornaria-se o radialista mais conhecido da cidade. E pra que sete não seja conta de mentiroso, Sara atualiza sua lista para oito nomes, incluindo Enrico, seu primeiro beijo, agora cliente da lavanderia.

O desafio da nossa heroína é consumar todas as vinganças em um mês, e depois voltar à vida normal. Será que ela consegue?

 Vingança em forma de quotes:









Encontre o blog

24/08

Comentários

  1. "Os gritos de Tim como trilha sonora" haha, adoreiii <3

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha, e quero ler! Vou procurar pra comprar, parece ser bem engraçado HAHAHAHA

    Beijos Re, boa semana

    ResponderExcluir
  3. Me fez lembrar um pouco daquele do John Green que tem a Cara no filme (desculpa não lembrar HUASHUAHS). Quero ler, sério!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca li John Green, nem nunca vi nada adaptado dele. Mas já fiquei feliz de ler o "quero ler, sério". Leia. É muito bom!

      Excluir
  4. Que massa! Parece ser muito bom!
    Vou já colocar na listinha bem curtinha que ando a fazer pela vida a fora. Hahahahaha.
    Vai como dica pro namorado, porque sou dessas agora. ;)

    Beijo em tu. Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é, Magda. Ou ele é muito bom ou reafirmo o que já disse: sou muito besta pra rir hahahaha. Mas vale sim! Tava louca por esse livro, e comprei por acaso, em uma viagem, em João Pessoa - inclusive.

      Excluir
  5. Adorei a resenha, e quero ler! Costumo dizer que : "vingança é um prato que se come frio..." demora, mas o castigo vem...

    ResponderExcluir
  6. Ai gente!
    Acho que vou AMAR esse livro.
    Tô precisando de um livro assim, com personagens meio doidas e que me façam rir.
    Já vou skoobear. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai amar mesmo! E como é besta pra rir igual a minha pessoa.... prepare-se para parecer ainda mais louca! :D

      Excluir
  7. Eu leria o livro só pelo nome dele, mas a sua resenha me convenceu. Ele parece ser muito engraçado :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que coisa linda, Maria Fernanda! Tão bom convencer alguém :D Quando ler me conta se supriu as expectativas :)))

      Excluir

Postar um comentário

Mais lidas

Não achei um título pra você

Acordei como um papel em branco perdido em milhões de gavetas. Não são gavetas, mas é como se fossem. Estou entre duas cobertas e um lençol de elástico, que se soltou da cama no meio da noite. Deve ser um sinal de que algo está onde não deveria. Um ponto fora da curva. Uma curva fora do ponto. Final, por sinal. E espero que não estejamos falando de nós. 
Sinto que falta algum pedaço de história ser escrito em mim. Em meio a tantas cicatrizes, não reconheço mais todas as marcas de ferida que sobraram aqui. E olha que são muitas!
Ontem à noite você não disse nada. Quase nunca você diz. É como se a vida estivesse gritando uma senha no balcão e a gente estivesse dormindo na sala de espera. Estar: um verbo do tamanho do mundo, que quase não reconheço mais. Presença às vezes significa mais ausência do que o contrário. Queria enrolar seus cabelos enquanto você dorme, mas eu sempre pego no sono primeiro. Será que algum dia vamos, enfim, nos esbarrar na esquina da nossa sala? Quem sabe tomar …

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…