Pular para o conteúdo principal

Desembarque no supermercado #2

Pinterest
Uma chuva fina caiu bem no meio daquele abraço e o céu escuro da noite desabou em lágrimas. Sabe quando dois minutos duram uma imensidão? Foi nesse meio tempo em que os pingos que caíam no estacionamento ficaram mais fortes. Ela poderia morar pra sempre dentro daquele peito largo que ele tinha. Meu Deus! Esse homem não parece em nada com aquele cara que conheci.

A chuva escorria quente na pele, e para um dos dois aquilo parecia muito mais intenso do que se previa. Era pra ser só um reencontro divertido, mas ele encostou a boca nos ombros dela e as lágrimas começaram a descer.

- O que eu perdi quando peguei aquele avião? - perguntou ele. - Sonhei todas as noites em te ver - continuou, com a voz travando na garganta.

Ela saiu dos braços fortes que ele tinha, tentando acreditar nas lágrimas que caíam ali. Quando ele foi, deixou pedaços de saudade espalhados por cada dia que passou. E não foi só saudade. Foi tudo que poderia ter sido, se ele tivesse ficado. O cheiro que ele usava nunca saiu das escadas daquele apartamento. Os planos sacanas que eles fizeram venceram o prazo de validade. E agora o passado estava ali, prestando contas de tudo que levou de graça.

- Tenho que ir. As luzes ficaram acesas em casa - disse ela, fria e longe.
- Posso desligá-las com você, se quiser - tentou.
- Sem jogos aqui! Não transforme pele em coração. Já tenho alguém me esperando - respondeu, rapidamente, sem olhar no olhos dele, que brilhavam em lágrimas.

Puta mentira, cara! Não havia ninguém em casa. Nada, além de copos espalhados pelo tapete. Uma bagunça generalizada, igual ao que ele deixou quando voou para longe sem se despedir. É compreensível fechar o coração assim, para balanço. A emoção mais forte desta noite ficará apenas no beijo que ela acaba de dar. Um maldito beijo que ele vai levar pra casa assombrando o peito.

- Pensei que iríamos dividir meu vinho esta noite. Não voltei pra me divertir. Não é só isso - tentou mais uma vez, com uma voz que lutava pra  não sair.
- Hoje seu vinho continuará sendo seu. Você chegou atrasado, desculpe! Não posso dar pra você meu coração inteiro de novo - disse ela, fechando o porta-malas.
- Não vá embora, por favor! - pediu de olhos fechados.

Ela deu as costas e caminhou até o banco do motorista, com as compras guardadas lá atrás.

- Por favor, me leve com você - continuou, de olhos fechados com uma garrafa de vinho na mão.
- Não coloque o coração aqui desta vez. Você não tem mais este espaço - respondeu categórica.

Ela desceu os vidros do carro antes de cruzar a chancela do estacionamento, olhou pra ele e a noite terminou com o som da buzina que ela apertou. Um adeus de verdade, afinal! Sem bilhetes escritos à mão, sem covardia. Só alguém com peito de verdade vai embora assim, querendo ficar. Só alguém com um coração que apanhou até despedaçar entende que nem sempre reviver é respirar.

- Não vá embora, por favor - repetia a cada quilômetro que corria pelo parque, antes de voltar pra casa com um vinho na mão, suando de frio.

Queda de energia no prédio, meu caro. Esta noite você vai dormir no escuro. Pense positivo! Você ganhou um beijo de despedida, pelo menos. Para lidar com um coração reconstruído, meu amigo, tem que merecer mais que um reencontro num supermercado, e há anos atrás era ela quem voltava perdida pra casa. Essa noite vai passar, cara. Assim como você passou, e esse é o fim da história. Pra ela!

*Esta é a parte 2 de Desembarque no Supermercado, que você leu aqui.
13/31

Comentários

  1. Que história linda! Vc escreve muitoooo bem, parabéns! Fiquei encantada!!

    ResponderExcluir
  2. Ai Rê, eu estava crente que eles iriam terminar o texto bebendo um vinho juntos.
    Mas é assim né. As pessoas não podem simplesmente voltar achando que nada mudou, que não ficaram marcas e cicatrizes.

    Vai continuar? Diz que sim?!

    Beijoca!

    (> amei seu comentário no post de ontem, coisa mais linda )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque nem sempre quando estamos sozinhos, estamos disponíveis né Aninha? (Vai continuar não. Só o sofrimento dele hahahaha)

      Excluir
  3. Quando acabei de ler a 1° parte, ontem, estava sozinho em casa e gritei um alto: NÃOOOOO! Esse "não" foi pela sacanagem de você guardar o texto pra outro dia :)

    Mas no fundo, gostei dessa expectativa criada, pois fiquei tentando montar a sequencia em minha cabeça.

    Falar que eu adorei o texto e redundância, pois pelos comentários todo mundo aqui ficou fascinado.

    Achei incrível essa tua narrativa, Renata. A riqueza de detalhes, mas sem exagerar, fez com que a cena toda da 1° parte, na fila do supermercado, fosse desenhada POR COMPLETO em minha retina...eu vi tudo - os dois na fila, as compras sendo passadas no caixa e o olhar de um para o outro.

    Parabéns, de verdade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que comentário mais lindo, Cley <3 (Eu, a íntima da pessoa hahaha) Tô sem palavras aqui ♥♥♥ Obrigada por esse carinho. Ler isso é melhor que qualquer coisa. <3 Boa quintammmm :)))

      Excluir
    2. Vc é seu belo texto merecem toda e qualquer palavra de carinho. Continue escrevendo ☺

      Excluir
  4. Gosteeeeeeeeeei do finaal!! Era bem isso que eu esperava, hahhaa!
    Não queria que ela voltasse de jeito nenhum.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos identificamos, então, Karolsss. Hahaha ♥

      Excluir
  5. " Quando ele foi, deixou pedaços de saudade espalhados por cada dia que passou. E não foi só saudade. Foi tudo que poderia ter sido, se ele tivesse ficado. "

    Ai a saudades =/

    Beijos Rê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah coração traiçoeeeeeeeeeeeeiro né Barbs?

      Excluir
  6. Arrasouuuuu!! Virei sua fã! Adorei de paixão!! Muito bem pregado para ele! haha Eu leria o livro da história deles hahaha <3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…

Quando vai sobrar um pouquinho de você pra mim?

Hoje eu tive um daqueles típicos dias de cão. Se você nunca teve um, vou te explicar como funciona. Primeiramente você acorda, e pode deixar que o universo cuida do resto. A noite já foi mal dormida mesmo, então o que vem a seguir são só aperitivos. E vou te dizer mais uma coisa: dormir numa cama que você acha que nem é mais sua é a pior experiência que existe. Você acorda mais cansado do que quando foi dormir, é preciso pontuar. A companhia também conta muito. E o que aconteceu antes também. Desculpa o arrodeio todo, mas o dia de cão começa vinte e quatro horas antes, ou na noite anterior, bem antes de dormir.
Começa comigo, acordando cedo em pleno feriado para cobrir um plantão policial daqueles. (rebeliões. meninos tocando fogo em colchão, tentando matar o colega da cela vizinha, e eu imaginando como o mundo pode ser assim. daí tem explosão a banco, arrombamento de cofre, perseguição pelo meio do mato e tudo que um repórter de cidades tem direito). O plantão acaba, e quero aprovei…