Pular para o conteúdo principal

O que junho me trouxe


Fechamos ontem o sexto mês do ano - copo meio cheio, então. Prefiro pensar assim! Junho foi por um lado apertado e inacabável. Só faltam 181 dias para 2015 chegar ao fim, e é hora de acelerar as metas que a gente colocou no papel. Completar a outra metade do percurso às vezes é mais doloroso, mas pra mim vai ser muito mais divertido. Em janeiro, eu quase não fiz planos pra o que eu queria desse ano. Sempre fiz e quase sempre deixei pra próxima. Foi diferente desta vez, estou no agora. Sem sofrência, sem engano e sem ilusão. Meio mundo de coisas já me aconteceu, e junho fez parte de um grande processo de aprendizado.

1. Aprendendo a dirigir
Tipo. Eu não tinha ideia de quando eu ia começar a dirigir. Verdade 1: Eu não sei andar nem de bicicleta, então muita calma! E esse mês comecei "aulinhas" de direção com o boy. Acho que já vamos para a quarta ou quinta aula, e já consigo passar até a terceira. Tirando as horas que esqueço, e piso junto na embreagem e no acelerador, até que estou razoável.

2. Cozinhei meu primeiro feijão
E queimei, claro! (Mas depois descobri como desqueimar, hahaha. Minha gratidão eterna à internet). Acho que esse primeiro mês foi de tentar aprender a cozinhar o SOS da vida real pra sobreviver, já que eu sempre tive preguiça de tentar quando eu dividia ap com uma amiga.

3. Ouvir histórias contadas em lágrimas
Coisas que sair batendo o mundo atrás de uma reportagem sempre traz: reflexão e autocrítica. Esse mês fui à uma cidade no Brejo do Estado recontar uma história que aconteceu há 11 anos. E sabe quando a sua pergunta faz alguém chorar? Pois é. A barragem de Camará, que estourou em 2004 e deixou cinco pessoas mortas pela força da água, foi o tema da matéria. Fátima, filha de seu José Pedro, que foi levado pela água, faz aniversário no dia tragédia. Foi ela quem encontrou o pai morto, coberto por um pé de bananeira boiando em mais de metro de água. "Meu aniversário nunca mais existiu". E voltei pra casa com isso!

4. E mais história
A gente não tem ideia do quanto tem uma vida confortável até se deparar com realidades extremamente cruéis. Para uma matéria de denúncia, andei em cima de um caminhão pau-de-arara com vários meninos e meninas que enfrentam uma serra acentuada todos os dias para chegar ao colégio. Eu fui sentada em um saco de cimento, porque o banco de madeira grosseira não tinha mais espaço pra mim. Imagine só. Um outro menino foi sentado ao lado de um galão de gasolina. Dividimos espaço com telhas e sacos de ração. Sem mais!

5. Bodas de beijinho/Dia dos namorados
Duas datas. Uma colada na outra. Pêi-buf! E eu sem grana, catando os últimos limites do meu cartão. Não deu outra. Tive que ser criativa. Usei Billy (um cachorro de cofrinho) como um desafio pra marcar o primeiro mês de casada. E marquei: Com quatro beijinhos, dois brigadeiros e duas surpresas de uva. Aprenda! Na agonia, doce sempre funciona.

6. Das pessoas boas
Uma das melhores coisas de se descobrir na vida, forever, é a bondade escondida no coração das pessoas que vivem diariamente com a gente. Corremos tanto, e na maioria das vezes só enxergamos defeitos. Quando paramos pra ver a alma das pessoas, nos surpreendemos. Um cuidado, uma palavra de carinho ou até mesmo a preocupação nos fazem sentir que somos tão amados. E junho foi o mês em que eu olhei pro lado sabe? Pra mais que ver, enxergar, que assim como cruéis e nocivas, existem pessoas do amor e do bem ao nosso lado. Sempre! Para pra ver, vai.

O que será que julho nos reserva? Espero que surpresas ainda melhores.
Mas não custa nada lembrar: É a gente quem está no volante!

Como foi o mês de vocês?
Beijoquitas.www.eurenata.com

Comentários

  1. Menina, pensa numa pessoa que deixou o instrutor da auto-escola de cabelo em pé quando e pisei no acelerador e freio ao mesmo tempo? haehauh até hoje não creio que fiz isso, porque até que dirijo bonitinho (mesmo não tendo carteira porque desisti de auto-escola). Quanto aos planos e metas de todo ano: to aqui tentando cumprir os meus.

    Beijo,
    Camy.
    www.keepcamy.com

    ResponderExcluir
  2. O-M-G. Olha quem esteve aqui... Chocada na balada! Já vi que tu é uma das minhas, Camy, haha. Olha, eu nem pensava em querer tirar, mas depois que me casei, algumas situações me levaram a isso. Tipo.. a rodada do motorista, ou eu precisar do carro, e o carro simplesmente ficar parado na empresa do boy... Essas coisinhas, que meio que forçam sabe? Meu sonho da vida agora é dirigir bonitinho!

    Li que vocês provaram sushi há pouco tempo. (No creio). Comida mais maravilhosa da vida inteira. Tipo. EU AMO MUITO MESMO. Tenho certeza que o enjoo de vocês vai passar, e vocês vão sentir a abstinência. ~forever~
    Beijo Camy linda!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …