Pular para o conteúdo principal

O que junho me trouxe


Fechamos ontem o sexto mês do ano - copo meio cheio, então. Prefiro pensar assim! Junho foi por um lado apertado e inacabável. Só faltam 181 dias para 2015 chegar ao fim, e é hora de acelerar as metas que a gente colocou no papel. Completar a outra metade do percurso às vezes é mais doloroso, mas pra mim vai ser muito mais divertido. Em janeiro, eu quase não fiz planos pra o que eu queria desse ano. Sempre fiz e quase sempre deixei pra próxima. Foi diferente desta vez, estou no agora. Sem sofrência, sem engano e sem ilusão. Meio mundo de coisas já me aconteceu, e junho fez parte de um grande processo de aprendizado.

1. Aprendendo a dirigir
Tipo. Eu não tinha ideia de quando eu ia começar a dirigir. Verdade 1: Eu não sei andar nem de bicicleta, então muita calma! E esse mês comecei "aulinhas" de direção com o boy. Acho que já vamos para a quarta ou quinta aula, e já consigo passar até a terceira. Tirando as horas que esqueço, e piso junto na embreagem e no acelerador, até que estou razoável.

2. Cozinhei meu primeiro feijão
E queimei, claro! (Mas depois descobri como desqueimar, hahaha. Minha gratidão eterna à internet). Acho que esse primeiro mês foi de tentar aprender a cozinhar o SOS da vida real pra sobreviver, já que eu sempre tive preguiça de tentar quando eu dividia ap com uma amiga.

3. Ouvir histórias contadas em lágrimas
Coisas que sair batendo o mundo atrás de uma reportagem sempre traz: reflexão e autocrítica. Esse mês fui à uma cidade no Brejo do Estado recontar uma história que aconteceu há 11 anos. E sabe quando a sua pergunta faz alguém chorar? Pois é. A barragem de Camará, que estourou em 2004 e deixou cinco pessoas mortas pela força da água, foi o tema da matéria. Fátima, filha de seu José Pedro, que foi levado pela água, faz aniversário no dia tragédia. Foi ela quem encontrou o pai morto, coberto por um pé de bananeira boiando em mais de metro de água. "Meu aniversário nunca mais existiu". E voltei pra casa com isso!

4. E mais história
A gente não tem ideia do quanto tem uma vida confortável até se deparar com realidades extremamente cruéis. Para uma matéria de denúncia, andei em cima de um caminhão pau-de-arara com vários meninos e meninas que enfrentam uma serra acentuada todos os dias para chegar ao colégio. Eu fui sentada em um saco de cimento, porque o banco de madeira grosseira não tinha mais espaço pra mim. Imagine só. Um outro menino foi sentado ao lado de um galão de gasolina. Dividimos espaço com telhas e sacos de ração. Sem mais!

5. Bodas de beijinho/Dia dos namorados
Duas datas. Uma colada na outra. Pêi-buf! E eu sem grana, catando os últimos limites do meu cartão. Não deu outra. Tive que ser criativa. Usei Billy (um cachorro de cofrinho) como um desafio pra marcar o primeiro mês de casada. E marquei: Com quatro beijinhos, dois brigadeiros e duas surpresas de uva. Aprenda! Na agonia, doce sempre funciona.

6. Das pessoas boas
Uma das melhores coisas de se descobrir na vida, forever, é a bondade escondida no coração das pessoas que vivem diariamente com a gente. Corremos tanto, e na maioria das vezes só enxergamos defeitos. Quando paramos pra ver a alma das pessoas, nos surpreendemos. Um cuidado, uma palavra de carinho ou até mesmo a preocupação nos fazem sentir que somos tão amados. E junho foi o mês em que eu olhei pro lado sabe? Pra mais que ver, enxergar, que assim como cruéis e nocivas, existem pessoas do amor e do bem ao nosso lado. Sempre! Para pra ver, vai.

O que será que julho nos reserva? Espero que surpresas ainda melhores.
Mas não custa nada lembrar: É a gente quem está no volante!

Como foi o mês de vocês?
Beijoquitas.www.eurenata.com

Comentários

  1. Menina, pensa numa pessoa que deixou o instrutor da auto-escola de cabelo em pé quando e pisei no acelerador e freio ao mesmo tempo? haehauh até hoje não creio que fiz isso, porque até que dirijo bonitinho (mesmo não tendo carteira porque desisti de auto-escola). Quanto aos planos e metas de todo ano: to aqui tentando cumprir os meus.

    Beijo,
    Camy.
    www.keepcamy.com

    ResponderExcluir
  2. O-M-G. Olha quem esteve aqui... Chocada na balada! Já vi que tu é uma das minhas, Camy, haha. Olha, eu nem pensava em querer tirar, mas depois que me casei, algumas situações me levaram a isso. Tipo.. a rodada do motorista, ou eu precisar do carro, e o carro simplesmente ficar parado na empresa do boy... Essas coisinhas, que meio que forçam sabe? Meu sonho da vida agora é dirigir bonitinho!

    Li que vocês provaram sushi há pouco tempo. (No creio). Comida mais maravilhosa da vida inteira. Tipo. EU AMO MUITO MESMO. Tenho certeza que o enjoo de vocês vai passar, e vocês vão sentir a abstinência. ~forever~
    Beijo Camy linda!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas

Não achei um título pra você

Acordei como um papel em branco perdido em milhões de gavetas. Não são gavetas, mas é como se fossem. Estou entre duas cobertas e um lençol de elástico, que se soltou da cama no meio da noite. Deve ser um sinal de que algo está onde não deveria. Um ponto fora da curva. Uma curva fora do ponto. Final, por sinal. E espero que não estejamos falando de nós. 
Sinto que falta algum pedaço de história ser escrito em mim. Em meio a tantas cicatrizes, não reconheço mais todas as marcas de ferida que sobraram aqui. E olha que são muitas!
Ontem à noite você não disse nada. Quase nunca você diz. É como se a vida estivesse gritando uma senha no balcão e a gente estivesse dormindo na sala de espera. Estar: um verbo do tamanho do mundo, que quase não reconheço mais. Presença às vezes significa mais ausência do que o contrário. Queria enrolar seus cabelos enquanto você dorme, mas eu sempre pego no sono primeiro. Será que algum dia vamos, enfim, nos esbarrar na esquina da nossa sala? Quem sabe tomar …

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…