Pular para o conteúdo principal

O Convite



Como a gente sabe se alguma coisa vai dar certo? Como prever que a gente não vai se machucar, e que não vamos precisar recolher novamente nossos cacos espalhados pelo chão? Anna* recebeu o convite de formatura do ex há umas três semanas. Tudo bem quando é só telefonema. Não ver é sempre um antídoto para a dor. Ela ignorou quase todas as tentativas de convite que ele fez e, como numa medida desesperada, ele resolveu sabiamente entregar o envelope em mãos. Não paga tarifas, chega em tempo hábil e sem possibilidades de ouvir do destinatário desculpas inventadas - as mesmas de sempre.

Houve tremedeira dos dois lados. E como não haveria? Foi quase um ano de desencontros, depois de cinco dividindo sorrisos e cafunés. Pelo pouco que conheço, duvido que Anna tenha oferecido um copo d'água. Ela preferiu o gelo, mesmo estando toda derretida por dentro. 

Ele só foi até lá para vê-la, e ela sabe disso. Li na semana passada, que se ficou no passado é porque não é importante. Foi a Gabriela Freitas quem disse. E é verdade. O problema é que às vezes o passado é inconveniente. Atravessa a rua sem se importar com todos os semáforos abertos. Acidentes acontecem, mas como evitar o que é proposital?

À todo companheirismo e dedicação de quase cinco anos - dizia um trecho da dedicatória escrita para ela no convite. "Disseram que você estava bem. Pensavam que a gente ainda estava junto, mas eu sempre estou fazendo merda", ele disse. "Espero que você não vá acompanhada. Não vou suportar estar te esperando e te ver chegando com outro", arrematou. Golpe duro pra quem está acostumada com tapinha nas costas. Se Anna não passou aquela noite em claro, mudo meu nome para Zefa - com todo respeito.

...

Leia o final desta história, aqui.

Comentários

  1. Que graça de texto! Como posso descrever o que senti ao ler todas estas palavras muito bem detalhadas na verdadeira essência da vida? Você tem um dom para escrever e acredito que terá muito sucesso se continuar. Parabéns! Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô Ewerton. Que alegria ler isso aqui! Esse comentário deixou a blogueira réa toda feliz, êêêê :DD Sempre que tiver novos textos nesta categoria, você ficará sabendo. Muito obrigada pelo carinho.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

20 semanas: chegamos na metade

Finalmente chegamos na metade da gestação. E quando penso nisso, vejo um reloginho me lembrando que logo logo seremos três em casa. Que logo logo, fraldas, lencinhos e chupetas vão se tornar acessórios obrigatórios na minha bolsa. Que logo logo, o cantinho que eu havia programado para ser meu escritório vai dar lugar a um lindo quarto de bebê. Que daqui a algum tempo, eu vou tropeçar em brinquedos. Que haverá mais um homem em casa. 
Tudo parece assustador e delicioso ao mesmo tempo. Tenho vontade de chorar e de rir. E em algumas ocasiões, não sei como diferenciar uma coisa de outra.
Esta semana eu passei dos limites nas comilanças. Comecei esticando de um chá de fraldas (de um amiguinho do Joaquim) para um aniversário. Nunca comi tanta bobagem e tomei tanto refrigerante de uma vez na vida. E na volta pra casa, a cada semáforo fechado, minha consciência ficava tão pesada quanto a minha barriga. #envergonhada
Minha mãe começou a fazer cueirinhos, toalhinhas de fralda e paninhos de chup…

O dia em que eu descobri o que houve com a gente

19 de março de 2018, o dia em que eu descobri o que houve com a gente.

Sou uma menina relativamente jovem, 25 anos mais pra lá do que pra cá. Digo relativamente, porque juventude é algo relativo (e não necessariamente tem a ver com a idade, aliás). Mas para o assunto que me permito escrever hoje, idade tem tudo a ver. É biológico para mulheres que pensam em ter filhos olhar sua própria idade de forma diferente. Eu nunca planejei filhos, na verdade. Quem me conhece sabe que nunca levei esse assunto assim a sério, como algo que eu precisasse pensar e planejar ou que fosse uma grande vontade. Nunca tive. Até acontecer.
É uma sensação parecida com estar apaixonado. Você não sabe que pode viver algo muito bom (vamos pensar no lado bom, apenas), até se apaixonar. A mesma descoberta eu tive quando descobri que estava grávida em dezembro de 2015. Não foi algo planejado. Aliás, conheço pouca gente que teve a sorte de planejar e ter o destino assim aos seus pés atendendo a esse "cronogra…

CK IN2U for Her: Básico, mas instigante

O CK IN2U for Her é amor à primeira vista, mas se for Eau de Toilett será um amor fugidio, com pouca fixação. Já o Eau de Parfum gruda nas roupas e na memória olfativa, prolongando uma sensação que é o maior diferencial deste perfume oriental floral: deixar a mulher cheirosa toda hora. Embora muita gente sinta cítrico, limão, baunilha, minha primeira impressão era de estar diante de patchouli, mas a nota é particular apenas ao perfume masculino.  De modo geral, ele pode ser classificado como um básico com personalidade e irradia alto astral, daqueles que cheiram a riqueza despojada, aquele tipo que não ostenta porque se define por ser e por si. Versátil, ele apresenta notas de fundo rico de baunilha e âmbar que associadas às notas de cabeça cítricas de toranja rosa efervescente, bergamota e folhas de groselha e as de coração, que são orquídea e cactus, proporcionam uma sensação de frescor que dura todo o dia – dependendo da evolução na pele de cada pessoa. A fragrância foi lançada pela …