Pular para o conteúdo principal

Corra o risco de não ser

https://www.youtube.com/watch?v=tIA_vrBDC1g




O dia seguinte foi todo perturbado. Anna desenterrou todas as cenas antigas deles dois, e ficou remoendo por dentro uma questão que pra mim, à olhos frios, poderia ser mais simples: Aceitar ou não o convite? Diz a lenda que ele foi muito sacana com ela no passado. Terminou a relação para poder "aproveitar". Não sei se por muita coragem, ou por falta de amor mesmo, ele disse isso à ela. Coitado! Se esperava mais da liberdade, teve o que poucos caras que conseguem a alforria têm: saudade. Ninguém bate na porta do outro para entregar um convite em mãos, com dedicatória escrita à punho, por maldade ou indiferença. Foi a saudade que o levou pelo braço, amiga. Acorda!


Estou morrendo de vontade de ir, mas quero vê-lo sofrer! - Atire a primeira pedra quem não pensaria exatamente como Anna! Não sei se porque ando melosa demais ultimamente, levantei a bandeira do "Carpe Diem"! O máximo que aconteceria era Anna confirmar o que já repetia para si mesma: ele é mesmo um canalha. 

Sem cartas, nem tarôs, na vida real não dá para prever o final da cantiga. Acredite, eu já estive dos dois lados! Um segundo de atraso e ele poderia estar dançando uma valsa sem graça com outra. Ou pode ter ficado a noite toda esperando ela chegar. E ficou! Ela não foi. Assumiu o orgulho de peito aberto, colocou três peças de roupa na mochila e viajou. Alguém com o coração calejado de chorar está sempre disposto a fugir. É a escolha mais fácil.

Como prever que a gente não vai se machucar, e que não vamos precisar recolher novamente nossos cacos espalhados pelo chão? Não existem regras! Uma ferida trincada no peito é o resultado sincero de um risco que corremos. Pode doer de novo, mas é de verdade. Quando deixamos o jogo de lado, não há fraudes no placar. 

Eu colocaria o vestido mais bonito da loja e iria vê-lo, se o meu coração pedisse. Mesmo que isso não seja garantia de um final feliz, se esconder debaixo de um pijama não resolve a equação. Amar é complicado! Estamos sempre querendo vingança por tudo que nos foi tirado. Mas ele tentou, não dá pra desmerecê-lo. Não Anna. Isso não é pisar na dignidade e deixar o amor próprio de lado, isso é ouvir o coração - mesmo que na maioria das vezes ele fale besteiras. Ou como diz o ditado, isso é dançar conforme a música. E você já desceu até o chão (♫) por caras piores, assuma!

Vocês podem ter a chance de um novo reencontro, em uma rua qualquer. Pode haver outro abraço com arrepio de pele, mas o beijo daquela valsa, minha amiga, você perdeu. Aquele momento que ia deixar você sem dormir lembrando o olhar dele esperando por você, ou daquele sorriso aberto ao pé do ouvido, passou. Era seu. Mas você não estava lá. Lutar pelo amor que a gente sente sempre vai parecer tolice, mas querer reviver uma sensação é só a prova de que o coração ainda bate, e o contrário disso é perigoso.

Aliás, uma despedida também pode ser uma lembrança boa. E se não for? Corra o risco de não ser!

-

*Anna é fictícia, mas a história é real.

Comentários

  1. Que texto bom, Renata :O
    Eu amo textos assim, arrasou! hehe
    beijãaao!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô Gabssss, que linda e fofa. Tu sempre aqui ♥

      Excluir
  2. Lindo texto, linda história.
    eu sou daquelas que prefiro não correr o risco, sabe!?!

    bjoesss

    www.papuff.com

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Mari. Que linda! (Todas nós preferimos não correr o risco).

    Beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas

A crise do cometa

Tumblr: My name is Caroline

Ouvi dizer que um cometa de nome bem difícil vai passar pertinho da Terra amanhã. Pertinho é charme, são 21 milhões de quilômetros de distância da Terra, o menor valor de distância já registrado na história. Não sei em que isso muda minha vida, ou a sua (Sou de humanas). O fato é que coisas estão girando o tempo todo. Coisas estão ficando mais perto umas das outras, ou se afastando rapidamente. O lugar onde estamos hoje é consequência de coisas que aconteceram à nós. Segunda lei de Newton, amor: a força aplicada em um corpo tem total relação com a mudança na velocidade sofrida por ele. Tô parecendo até intelectual de exatas falando assim, mas foi um belo googão. ♥
Isso significa algo bem importante: estamos vivos. Piscamos os olhos, coçamos a mão e "me belisca pra eu ver que eu não tô sonhando". Ação e reação. A gente funciona. Não somos passivos. Somos uma massa grande de neurônios, pele, sistemas e coração. Ah, esse danado desse coração. Às vezes…

Ainda cabe você aqui dentro

Foto: Pinterest


Às vezes perco o tempo de vista imaginando como seria ganhar um sorriso seu. Confesso, voltar aqui é arrancar e sentir arder um pedaço de mim que ainda está em carne viva, mas que eu consigo disfarçar bem. Eu sempre achei que soubesse que saudade dói. E sabe... eu subestimei essa mulher. Que pena que não posso me desculpar, tomar um analgésico e fazer todo o resto desaparecer. 
Coisas aconteceram. Coisas deixaram aquele meu músculo preferido em frangalhos. Coisas não param de rebobinar na minha cabeça. Cenas do nosso amor interrompido. Não por vontade minha. Como poderia? Quem dera tudo se resumisse apenas a coisas, e não a pessoas. É mais fácil sofrer por bobagens.
Tempos atrás, muito antes de você, perdi meu moletom preferido. Um vermelho, quase duas vezes maior que eu, com um coração amarelo estampado bem no meio. Achei que fosse o fim da minha vida abrir a gaveta e não saber onde coloquei. Passei semanas remoendo isso dentro de casa. E como é fácil sofrer por beste…

Quando vai sobrar um pouquinho de você pra mim?

Hoje eu tive um daqueles típicos dias de cão. Se você nunca teve um, vou te explicar como funciona. Primeiramente você acorda, e pode deixar que o universo cuida do resto. A noite já foi mal dormida mesmo, então o que vem a seguir são só aperitivos. E vou te dizer mais uma coisa: dormir numa cama que você acha que nem é mais sua é a pior experiência que existe. Você acorda mais cansado do que quando foi dormir, é preciso pontuar. A companhia também conta muito. E o que aconteceu antes também. Desculpa o arrodeio todo, mas o dia de cão começa vinte e quatro horas antes, ou na noite anterior, bem antes de dormir.
Começa comigo, acordando cedo em pleno feriado para cobrir um plantão policial daqueles. (rebeliões. meninos tocando fogo em colchão, tentando matar o colega da cela vizinha, e eu imaginando como o mundo pode ser assim. daí tem explosão a banco, arrombamento de cofre, perseguição pelo meio do mato e tudo que um repórter de cidades tem direito). O plantão acaba, e quero aprovei…